fechar× Entre em contato 71 3242-1084 / 3491-0710

Conta de luz mais cara



ANEEL DEFINE REAJUSTE PARA TARIFA DE ENERGIA DA BAHIA

Em abril, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu as novas tarifas da Coelba. O índice médio de reajuste para o consumidor foi de 11,43%. As novas tarifas entraram em vigor para os 5,5 milhões de clientes da concessionária no dia 22 de abril, mas o consumidor só perceberá essa variação nas faturas recebidas a partir de maio.

Os consumidores atendidos em baixa tensão, que representam 99% dos consumidores da empresa e incluem os clientes residenciais, terão um aumento médio de 10,45%. Já os consumidores industriais e comerciais de médio e grande porte, atendidos em alta tensão, terão reajuste de 13,34%, em média.

“Os reajustes tarifários anuais estão previstos no contrato de concessão das distribuidoras. São mecanismos de correção monetária e também de atualização dos custos não gerenciáveis pelas distribuidoras como os referentes a compra da energia junto aos geradores, custos de transmissão e  encargos setoriais”, explica Carlos Morais, gerente de atendimento da Coelba.

Além dos valores de tarifas fixados pela ANEEL, são cobrados na conta de energia, ainda, os impostos (ICMS, PIS e COFINS) e as Bandeiras Tarifárias. Conforme definido pela administração municipal, também é cobrada na conta de energia a Contribuição de Iluminação Pública (CIP), tributo repassado pela Coelba diretamente para as prefeituras municipais, que são as responsáveis pelos serviços de projeto, implantação, expansão, operação e manutenção das instalações de iluminação pública.

Composição da tarifa média 2015
EXEMPLOS PRÁTICOS DO REAJUSTE 2015


Atualmente, os consumidores de baixa tensão representam 99% dos clientes da Coelba. Um consumidor residencial convencional que consome 100 kwh/mês, por exemplo, terá sua conta reajustada de R$ 50,79 para R$ 56,05. Já o residencial baixa renda, com o mesmo consumo de 100 kwh/mês, terá o valor alterado de R$ 26,25 para R$ 29,03. 



 
Carla Brayner, 20.MAIO.2015 | Postado em Economia
  • 1
Exibindo 1 de 1

Carregando...