26/03/2013

Segurança e modernidade abrem mercado para o gás natural residencial



Comodidade, segurança e economia. Essas vantagens competitivas fazem com que o gás natural conquiste cada vez mais o mercado residencial na Bahia. O energético, que pode ser usado no aquecimento de água, fogões, na geração de energia elétrica, na cogeração, na climatização e também como complemento para o sistema de energia solar, proporciona uma economia de 30% em relação ao gás liquefeito de petróleo, por exemplo. 
 
Outra vantagem é a medição individualizada. Cada morador paga pelo volume de gás consumido ao longo do mês. Desde 2003, os clientes da Bahiagás pagam uma fatura individual de gás e não pela média de consumo do edifício. Os benefícios econômicos proporcionados pelo uso do gás natural foi o que motivou o síndico do Edifício Morada das Torres, no Stiep, Roberto Barreto, a optar pelo energético.
 
 “O gás natural nos possibilita uma economia signi­ficativa. Além disso, com o fornecimento contínuo não há perda de conteúdo como acontece com os botijões”, destaca. Para Lia Godinho, moradora do edifício Lion, em Alphaville, o GN se destaca por sua eficiência. “Meu aquecedor não funcionava bem antes e após convertido para gás natural está ótimo”, avalia. 
 
Grandes lançamentos imobiliários já estão sendo construídos visando o uso do energético. Edifícios já habitados também estão adotando o GN por ser uma opção mais econômica, além de proporcionar ganho de espaço e eliminar a necessidade da troca de botijões. Engenheiros e arquitetos estão cada vez mais antenados com as vantagens do GN, tanto para o projeto arquitetônico quanto para o futuro morador.
 
 Em média, 75% das novas ligações residenciais são para edifícios novos. É o caso, por exemplo, do Alphalife, do consórcio Costa Andrade, Ibiza e Bacino Estevez. O engenheiro Cloder Assis destaca que a eliminação da casa de gás proporcionou ganho de espaço e valorizou, esteticamente o projeto. 
 
O armazenamento dos botijões GLP geralmente é feito em um espaço na frente do edifício. “A área onde ficaria a casa de gás foi transformada em um jardim”, conta o engenheiro. O Alphalife foi o primeiro projeto em que ele utilizou o gás natural. “Agora que a Bahiagás conta com uma rede mais ampla eu vou priorizar o GN. Além dos ganhos para o imóvel e da economia para o morador esta é a opção de maior vantagem ambiental”, destaca.
Em Salvador, o reconhecimento do setor de cons­trução civil pode ser medido pelos números expre­s­sivos. Desde 2009, foram realizadas 4.952 ligações em empreendimentos novos. Este ano, 1.806 ligações já foram feitas e alguns empreendimentos em fase de conclusão, como o Vila Privillege, em Santa Tereza, e o Máximo Residence, no Cabula,  já foram projetados para o uso do GN. 
 
A Companhia já fornece gás natural para sete mil residências e até o final do ano deverá chegar a 11 mil. A rede Bahiagás também cresce para atender a esta demanda e já está nos bairros da Pituba, Imbuí, Horto, Candeal, Cidade Jardim, Alphaville, Loteamento Aquários, Alto do Parque, Itaigara e Caminho das Árvores. 


 
 

Tags:   

Comentários

Cadê o Síndico é uma realização da Editora União Salvador LTDA.

Travessa Francisco Gonçalves, 01, Edf. Reitor Miguel Calmon, Sl. 303
Comércio - CEP:40.015-090 71 3242-1084 / 3491-0710