20/05/2016

Remuneração do síndico profissional

Por: Carla Brayner

COTA PODE VARIAR

Moradores estão optando por contratar síndico profissional para administrar os condomínios residenciais. No entanto, ainda é grande o número de síndicos que também são moradores, e nesses casos, é comum que o síndico-morador obtenha uma remuneração. Há três formas de cobrança: uma cota pré-estipulada, uma porcentagem de arrecadação mensal ou salários mínimos. 

O trabalho do síndico exige tempo, esforço, conhecimento técnico e responsabilidades civis e criminais. O que custa caro. “Delegar este complexo escopo a um síndico morador voluntário em troca de isenção da cota condominial é assumir que o serviço seja executado em regime de “melhor esforço”, e quando ele tiver tempo. A qualidade da prestação do serviço será ignorada, uma vez que o morador eleito estará “fazendo um favor aos vizinhos”, dispensando-os do fardo de serem síndicos, e simplesmente delegando suas funções à uma empresa administradora e aos fornecedores.

Adotar um síndico profissional no seu condomínio é garantia que os moradores podem requisitá-lo ou cobrar resultados sem nenhum constrangimento, além de garantir impessoalidade e parcialidades quando o assunto for punir moradores por desrespeito às normas”, defendeu Claudio Celino. 

Mesmo as isenções da cota básica aos síndicos condôminos devem ser pagas como um prestador de serviços do condomínio: via nota fiscal emitida pelo síndico. “Isso garante ao condomínio o recolhimento de todos os impostos sobre serviços prestados e manutenção do custo do serviço independente do valor da cota condominial; e garante ao síndico contagem de tempo para obtenção da aposentadoria. A nota fiscal avulsa pode ser emitida em qualquer posto do SAC, todos os meses, caso o síndico não seja um micro empreendedor individual cadastrado na Prefeitura. E os rendimentos obtidos da prestação de serviços de síndico devem ser contabilizados normalmente na dedução do imposto de renda”, explicou Celino. 

Como em qualquer ramo da prestação de serviços, o valor do mesmo pode oscilar bastante. “O que pode pesar no valor do profissional contratado são condomínios com muitos itens de lazer, muitas unidades, quando é preciso acompanhar grandes obras, e a carga horária, em condomínios pequenos e médios, o costume é o síndico visitar o local duas ou três vezes por semana. Caso os moradores queiram mais presença física do síndico, isso deve encarecer os honorários”, alerta o economista Alexandre.



 

Tags: Administração de Condomínios  Gestão  Remuneração  

Comentários

Cadê o Síndico é uma realização da Editora União Salvador LTDA.

Travessa Francisco Gonçalves, 01, Edf. Reitor Miguel Calmon, Sl. 303
Comércio - CEP:40.015-090 71 3242-1084 / 3491-0710