13/07/2015

Vazamento de gás

Por: Carla Brayner

COMO REALIZAR A MANUTENÇÃO E EVITAR DANOS

Markus Miller faleceu com queimaduras em metade do corpo, após uma explosão em seu apartamento no Rio de Janeiro. Peritos concluíram que a situação foi provocada pela má instalação do cano de um aquecedor de gás. A suspeita é que Miller tenha substituído a peça horas antes do acidente. Casos como este são comuns no dia a dia, o que os síndicos devem ficar atentos é que a manutenção do conjunto de tubulações e equipamentos destinados ao transporte e controle de fluxo de gases é de responsabilidade do condomínio, sendo toda manutenção preventiva de responsabilidade do síndico. Já o consumidor é responsável pela boa conservação e manutenção da rede de distribuição de gás localizada na área interna e nas unidades habitacionais. 



O condomínio deve contratar uma empresa especializada para realizar inspeções periódicas na rede de distribuição interna de gás, em intervalos de cinco anos, seguindo as determinações da NBR 15526. “É preciso que o condomínio realize periodicamente o teste de estanqueidade. A instalação de gás requer cuidados, por isso é preciso fazer de maneira periódica testes para verificar se existem vazamentos na rede de gás e a companhia fornecedora pode indicar especialistas para esta tarefa.”, informa Douglas Xavier de Souza, Supervisor de Instalações da Ultragaz. 

Caso seja detectado vazamento em uma unidade autônoma, até aguardar a chegada de um especialista, é recomendável abrir portas e janelas para ventilar o ambiente, fechar o registro dos aparelhos que utilizam Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) ou o registro geral, não fumar e não acender/apagar luzes, isqueiros ou fósforos, e também não acionar equipamentos elétricos. Nas conexões aparentes pode-se passar espuma de sabão para verificar a formação de bolhas, o que auxilia na identificação do vazamento.  

 “Condôminos e condomínio devem zelar pela preservação das instalações, tanto da central quanto das unidades autônomas. Ambos devem acionar a assistência técnica da empresa distribuidora de GLP sempre que entenderem que existe algum problema no fornecimento/abastecimento e nunca providenciar ajustes/consertos/reparos por conta própria. Quando realizar alguma reforma ou intervenções é importante consultar o projeto para identificar a localização da rede de gás. Isso auxilia a evitar furações indevidas. Aliás, tubulações e acessórios devem estar sempre com os acessos desobstruídos e devidamente sinalizados, pintadas na cor amarela e sem qualquer dano”, conclui Douglas. 

Além disso, os condôminos devem estar atentos aos seguintes pontos:

• Instalar aquecedores de marcas aprovadas e que estejam de acordo com as normas e legislações vigentes, respeitando a capacidade do equipamento x utilização/volume de gás; 

• Realizar manutenção preventiva nos equipamentos que utilizam o GLP (aquecedor, chuveiros, fogão, torneiras que possuam água quente); 

• Acionar a empresa fornecedora ao perceber um vazamento ou alguma divergência na medição do consumo; 

• Quando for necessário converter um equipamento para GLP, contratar empresas especializadas para isso;

• Cuidar para que a mangueira seja fixada sempre com abraçadeiras para melhor segurança. O ideal é que a mangueira seja de cobre ou certificada pelo INMETRO com a gravação NBR 8613 e prazo de validade; 

• O regulador de pressão também deve respeitar a norma NBR 8473 e possuir certificado do INMETRO. Ficar atento à validade do equipamento (cinco anos, conforme ABNT NBR 8473);

• Quando não estiver usando o aquecedor, manter fechado o registro geral de segurança. É preciso criar o hábito de verificá-lo rotineiramente antes de dormir ou ao sair de casa;

• Apagar a chama do piloto imediatamente ao terminar o banho, se o aquecedor não for automático. Assim se evita desperdícios e riscos para a segurança; 

• No caso de aquecedores de acumulação (boiler a gás), procurar programar o horário do banho dos moradores para evitar que o aquecedor permaneça ligado. Se for preciso que fique ligado ao longo do dia, procurar colocar o termostato no nível mínimo de temperatura;

• Não usar a temperatura máxima de aquecedor desnecessariamente. Para ajustar a temperatura ideal do banho, use o botão de controle de temperatura do aquecedor (quantidade de gás). Colocar o controle na temperatura máxima e misturar água fria desperdiça água e gás.



 

Tags: Inspeção  Manutenção  Rede de distribuição de gás  

Comentários

Cadê o Síndico é uma realização da Editora União Salvador LTDA.

Travessa Francisco Gonçalves, 01, Edf. Reitor Miguel Calmon, Sl. 303
Comércio - CEP:40.015-090 71 3242-1084 / 3491-0710